Todo território tem seu patrimônio, por mais que este não esteja estampado em cartões postais ou no itinerário dos roteiros turísticos. O patrimônio deriva do valor humano, dos espaços defendidos contra forças adversas, dos espaços amados. Por isso, os grandes guardiões do patrimônio de uma cultura são as pessoas.

Mais do que construções ou representações emblemáticas, o patrimônio é uma forma de entender, respeitar e se apropriar da cidade onde se vive. Não existe a priori: é construído nas relações e depende de um processo prévio de adoção.

O grupo que se apropria de um patrimônio não somente compreende seu significado, mas também se identifica por meio dele. Logo, cada comunidade decide o que é patrimonialmente mais significativo para si.

Quando se fala em patrimônio histórico, é importante reiterar que este não está circunscrito aos centros históricos das cidades, mas difundido por todos os territórios. Envolver a comunidade neste processo de reconhecimento, registro e mapeamento do patrimônio gera pertencimento social e cultural e possibilita que as pessoas sejam multiplicadoras dessa proteção, atuando diretamente pelo interesse coletivo.

O patrimônio cultural, por sua vez, forma-se a partir de referências culturais que estão muito presentes na história de um grupo e que foram transmitidas entre várias gerações. Ou seja, são referências que ligam as pessoas aos seus pais, aos seus avós e àqueles que viveram muito tempo antes delas.

O reconhecimento do patrimônio cultural carrega ainda outra importância: são elementos tão importantes para o grupo que adquirem o valor de um bem – um bem cultural – e é por meio deles que o grupo se vê e quer ser reconhecido pelos outros.

PERGUNTAS DISPARADORAS

  • Quais são alguns exemplos de patrimônio histórico do seu território?
  • Eles estão preservados?
  • Como eles se assemelham ou se distinguem daqueles encontrados nos centros históricos?
  • Quais são os exemplos de patrimônio cultural da sua comunidade/região?
  • Que tipo de relações as pessoas do território possuem com estes espaços ou bens?
  • Como é feita sua preservação geracional?
  • Como estes bens se articulam com a memória afetiva de cada um?