Publicado dia 10/05/2018

Competência

Existem diferentes formas de compreender o conceito de competência na educação. Muito em voga desde a década de 1990, o conceito ganhou forças com a aprovação da Lei de Diretrizes e Bases (LDB), em 1996, que propunha, em seu texto, que o currículo escolar do ensino médio seja orientado para o desenvolvimento de competências fundamentais ao exercício da cidadania.

De acordo com o Dicionário Interativo da Educação Brasileira (Dieb), o Ministério da Educação adota em suas orientações uma abordagem de Jean Piaget (psicologia) e Noam Chomsky (linguística) para dialogar sobre o tema, entendo que as competências são ações de pensamento “em rede” (sistêmicas) necessárias para estabelecer e compreender “relações com e entre objetos, situações, fenômenos e pessoas que desejamos conhecer”.

Em perspectiva semelhante, o sociólogo suiço Philippe Perrenoud defende que “competência é a faculdade de mobilizar um conjunto de recursos cognitivos (saberes, capacidades, informações etc.) para solucionar uma série de situações”.

O autor, que apresentou o conceito no livro 10 Novas Competências para Ensinar, relacionou as principais condições para se ensinar bem em uma sociedade em que o conhecimento está cada vez mais acessível.

As 10 Novas Competências para Ensinar são:

1- Organizar e dirigir situações de aprendizagem;
2- Administrar a progressão das aprendizagens;
3- Conceber e fazer evoluir os dispositivos de diferenciação;
4- Envolver os alunos em suas aprendizagens e em seu trabalho;
5- Trabalhar em equipe;
6- Participar da administração escolar;
7- Informar e envolver os pais;
8- Utilizar novas tecnologias;
9- Enfrentar os deveres e os dilemas éticos da profissão;
10- Administrar a própria formação.

Segundo o autor, a competência pressupõe operações mentais, capacidade para usar habilidades e emprego de atitudes adequadas à realização de tarefas.

Para a educadora Amelia Hamze, o conceito de competência é um conjunto simbólico de habilidades e está intimamente relacionado à ideia de laboralidade (do “fazer concreto”). Por isso, a escolha da perspectiva de educar por competências e habilidades aumenta a responsabilidade das instituições de ensino na organização dos currículos e das metodologias que propiciam a ampliação de capacidades como resolver problemas novos, comunicar idéias e tomar decisões.

Lino de Almeida, diretor do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo, por sua vez, fala sobre três formas de conceito de competência. A competência como condição prévia do sujeito, herdada ou adquirida – relacionada a talento, dom ou extrema facilidade; a competência como condição do objeto independente do sujeito que utiliza – por exemplo, quando julgamos um professor pela “competência” do livro que adota ou pela escola que leciona; e a competência relacional que considera a interação entre o sujeito e o objeto.